Esforço descomunal

Gasto toda a minha energia
Fico em pedaços cotidianamente
Faço que sim diariamente
Escondendo um não latente
Fingindo normalidade
Para sorrir e desejar bom dia

O que levar do meu 2017?

     Compreender finalmente que você ainda não se entendeu e já se aproxima dos 30 é algo enriquecedor, pois ainda a muito a se caminhar e ao mesmo tempo é desesperador pois tudo, todos e tanto foi feito para ainda se questionar. 

     2017 foi um piscar de olhos, ou melhor dizendo, um cochilo intrínseco em minha mente onde 4 anos não significavam mais nada. Foram semanas olhando para o teto e nem perceber que escureceu e ainda assim querer se justificar de algo que não é plausível de explicações, infelizmente e simplesmente acontece com milhões e assim foi comigo. 

     Tragado pela depressão, confundido pela ansiedade, iludido pelas mudanças de humor e desacreditado em seres humanos. Esse ano foi mais palpável crer no inacreditável, em algo que não era verdadeiramente crível, porém era mais vivo, dourado, pulsante e reluzente. Mais vivo que promessas de amores eternos, amizades extensas e companheirismo vãos. 

       Olho para trás e vejo que consegui algo que na verdade eu não queria conseguir: entrei no clube dos 27. São tantas figuras públicas que se foram aos 27 anos  e sempre brinquei que se não fosse agora, só aos 72, mas foi dessa vez, eu morri em diversos sentidos e ainda estou tentando cremar as partes que insistem em ser fênix. Deixei de ser louco, o tal porra louca que todos adoravam, ou melhor, adoravam o que ele proporcionava, o circo que gerava, o vinho que derramava e a facilidade de me controlar. 

       Nesse fim de ano e com essa avaliação, olhando de janeiro a janeiro, eu fiz tanta coisa que não queria fazer, me relacionei com tantas pessoas com medo de ficar sozinho, sonhei os sonhos dos outros e quis provar para mim mesmo que conseguia, que eu aguentava e que eu sozinho venceria. Venci realmente, sou um profissional realizado, um homem com seu carro vermelho e casa popular de chão com cimento queimado e posso me dar o luxo de um ano sabático. Mas o porque eu venci, qual a razão de tanto correr e nada aproveitar? 

       Logo chegam os meus 28 anos, um ano sem álcool e algo mais, um ano quase sem sexo, sem café, sem multidões de amigos, sem provar que eu não preciso provar nada a ninguém (parafraseando) e chego nessa idade com vontade de saber quem eu sou, o eu que nasceu aos 27 e tem agora mais uns 50 anos para se redescobrir e poder falar: eu venci de novo, e de novo e de novo. 

E A TODOS OS DESINFORMADOS, SEGUE NOTA DO AUTOR:
     Eu não desisti de nada em minha vida, apenas estou aprendendo que viver é diferente de sobreviver. Podem me chamar de louco, mais viver é bem melhor que ter sucesso em sobreviver. 

{Acróstico de despedida}

Entre todas as latitudes que poderia lhe encontrar, nosso primeiro encontro foi no bar.

Chamei de insubordinada, linda, amiga, querida, briguenta e chata. Mas no fim resolvi te chamar de ba.

Ao te ver os sentimentos pipocavam, ao invés de um simples oi, você corria e gritava: Raaaaaá!!!!!

Você fez cada encontro ser lindo, único, louco e divertido. Prazer imenso fazer parte desse crescimento. A nossa história não vai acabar, se ler a última palavra de cada estrofe, acho inclusive que vai se emocionar. 

VOE ALTO BA!

Sanidade

acredito em sanidade
mesmo que na saudade
dela me visitar

creio em não ter sofrimento
sem ter fé no argumento
até quando questionar?

Sei que posso achar a cura
com a mente plena pura
Basta apenas esperar

História da vida

Escreva a história da sua vida sem ficar pensando nos rascunhos. Se um capítulo não ficar como você desejava, no próximo tudo se ajeita. #bomdia #errejota #goodvibes #riodejaneiro #positividade 

42.034

Sempre é bom ver que após 8 anos, meu pequeno espaço chamou a atenção de algumas pessoas, 42.034 para ser mais exato. Só sendo um pouco egoísta, pois aqui é permitido.


O escolhido

Um homem escolhido é abençoado
Um homem escolhido tem compaixão
Um homem escolhido sabe ajudar
Um homem escolhido não veio em vão
Obrigado por ser um homem escolhido
Pois escolhido de amar como irmão
E sinto que me escolheu também
Sou grato por nunca me dizer não